Como gerir as muitas dúvidas sobre duração e intensidade do “isolamento social”?

Lideranças do setor de serviços dizem como estão lidando com suas incertezas diárias sobre a Covid-19

De repente, foi como se um cronômetro invisível, como aqueles dos filmes, ecoasse dia e noite um assombroso tic-tac para lembrar aos empresários que o atual período de pandemia dificilmente terá seus efeitos neutralizados nos boletos, Darfs, Darms, holerites e tantos outros compromissos a cumprir.

Não por acaso, as medidas paliativas anunciadas até aqui pelo governo tiveram, invariavelmente, a contagem de prazos como fator principal, tanto nas questões trabalhistas quanto naquelas relacionadas ao recolhimento de tributos.   

Além da enorme imprevisibilidade de quando e como tudo isso vai terminar, algumas lacunas já começam a se tornar gritantes.

Na semana passada, por exemplo, após três dias seguidos de isolamento social de 48%, ou seja, índice dois pontos abaixo da meta mínima agora defendida pelo governo local, novamente tornou-se dúvida em São Paulo o início da flexibilização gradual, inicialmente previsto para 8 de maio, visando amenizar as medidas colocadas em prática a partir de 24 de março, nos 645 municípios paulistas.

Em segmentos específicos como o da educação, existe ainda a necessidade de sincronismo entre a volta às aulas e o retorno de outras atividades, “por uma questão eminentemente de segurança, já que os pais temem deixar seus filhos com pessoas desconhecidas, quando não há alguém da família em casa”, exemplifica Augusto Pellucio, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino de Rondônia – SINEPE.

“Tem sido uma incerteza enorme, a cada dia surge uma notícia nova, pois estamos sempre reféns do número de vítimas”, constata José Jacobson, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Vigilância – Abrevis, cujo segmento já vive uma retração de 15%.

“Melhor seria termos no Brasil um sincronismo nas ações dos governos federal, estaduais e dos municípios”, acrescenta o empresário, lamentando que os interesses políticos estejam sobrepujando os resultados científicos práticos, tão importantes num momento assim.

Percepção semelhante tem Thiago Santana, presidente da Associação Brasileira de Facilities – ABRAFAC. “No mínimo, precisaríamos ter primeiro uma unicidade de discurso e, segundo, total confiança nos números oficiais”, defende.

O viés político dado a uma questão de saúde pública tão grave ele considera responsável pela guerra de informações que tem tornado tudo muito nebuloso e ainda mais incerto, o que tem levado sua entidade a se esforçar ao máximo para compreender e a extensão real do problema, e assim melhor orientar seus associados.

“É importante que haja união entre todos os representantes do poder público para que as empresas possam ter maior previsibilidade nas tomadas de decisão, pois qualquer indefinição gera insegurança a todos”, concorda David James, presidente da Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional – ABRALIMP.

Segundo ele, sua entidade tem procurado atenuar essa realidade envidando esforços para informar sua base da melhor forma possível sobre como atuar hoje em dia, por meio do portal Higiplus, e também com um manual sobre procedimentos corretos de higiene e limpeza a serem adotados na tão esperada retomada de comércio e indústria. Tais providências se complementam com uma série de lives e a liberação de acesso gratuito aos cursos on-line da UniAbralimp.

Trabalho educativo é o que também não tem faltado na Abrevis, focando temas como abastecimento de EPI’s, notícias técnicas e também legislação trabalhista, tributos e economia, assegura Jacobson.

O mesmo ocorre na ABRAFAC, onde aspectos como a correta manutenção dos sistemas de refrigeração e ar condicionado nos condomínios têm se destacado, juntamente com a adoção das melhores práticas para evitar a proliferação do novo coronavírus nos ambientes de trabalho.

Paralelamente, a associação comandada por Santana está preocupada com a saúde financeira de suas representadas. “Neste sentido, estamos buscando uma troca intensa de informações entre os agentes do mercado para buscar, em conjunto, soluções de apoio para a crise, o que envolve prorrogação de prazos de pagamento, mudanças de logística de distribuição e compra de materiais, entre outros”, relata.

FUTURO

Contudo, a existência de tantas indefinições pairando no ar não impede que macrotendências já sejam antecipadas pelos players do setor de serviços.

Para o presidente da ABREVIS, por exemplo, o Covid-19 colocou pobres e ricos, países poderosos e subdesenvolvidos no mesmo patamar. “Ficamos todos de joelhos, subjugados por esta pandemia”, reconhece Jacobson.

Isto, segundo ele, não impedirá que todos saiam desta crise com mudanças profundas. “A Segurança Privada deverá acompanhar toda essa evolução por um mundo melhor”, prevê.

No médio prazo, Thiago Santana resume tal metamorfose coletiva como “um novo normal”, presente em diversos campos das relações humanas. O setor de serviços, por demandar o uso intenso de mão de obra, também tende a se transformar, na visão do líder setorial.

Muitos dos comportamentos preventivos atuais, por exemplo, ele acredita que acabarão se incorporando às práticas cotidianas de todos. “O uso de máscaras e a higienização de mãos deverão fazer parte deste novo modal”, exemplifica o presidente da ABRAFAC.

Esta nova realidade ele acredita que também venha a modificar toda a cadeia de suprimentos, estoques e a gestão de resíduos em todas as organizações, “mas só mesmo o tempo poderá ser capaz de dizer a profundidade exata de tantas transformações”, reconhece Santana

“A CEBRASSE acompanha de perto toda essa movimentação, e continuará firme em suas gestões junto a estados, municípios e União, para que o nosso setor, justamente o que mais gera empregos e responde pela maior parcela do Produto Interno Bruto (PIB) não saia irremediavelmente arranhado deste momento crucial, que promete afetar o futuro de todo o planeta”, intervém o presidente da entidade, João Batista Diniz.

Por Wagner Fonseca, para a CEBRASSE NEWSwww.cebrasse.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.